Oficina CEER
 30-12-2011
MUSEU NOGUEIRA DA SILVA CRIA ESPAÇO MARIA ONDINA BRAGA E RECUPERA JARDINS

Projeto é apoiado pelo QREN e visa atrair novos públicos.

O Museu Nogueira da Silva, em Braga, vai inaugurar na primavera um polo permanente dedicado à escritora bracarense Maria Ondina Braga. O espaço vai ter o espólio literário e objetos da autora, uma sala para leitura e pesquisa da sua obra e envolve ainda um programa intenso, que inclui projetos escolares, tertúlias, concertos e exposições. O projeto, intitulado “MNS: Novos Percursos”, ronda os 160 mil euros, cofinanciados pelo programa ON.2 do QREN. A remodelação e adaptação dos espaços são da autoria do Centro de Estudos da Escola de Arquitectura da Universidade do Minho, em parceria com a empresa TDP. As obras estão a decorrer.

Na verdade, o projeto é bem mais amplo. Inclui a recuperação dos jardins do Museu e o restauro dos azulejos e estátuas, a colocação de sinalética nas obras de arte e nas espécies botânicas, uma exposição dedicada ao modernista Jorge Barradas, um novo espaço para tertúlias e oficinas, a receção reformulada com as edições do Museu para consulta/compra e, não menos importante, a entrada em “corredor” direto para o jardim, passando por uma galeria contínua para exposições temporárias.

“Esta reconfiguração gera novos percursos de visita, maior interligação e usufruto das áreas interiores e exteriores, mais espaços para atividades culturais complementares e o posterior desenvolvimento de suportes multimédia. Isto permite abrir ainda mais o Museu à sociedade, atrair novos públicos e envolver crescentemente as escolas, desde o pré-escolar ao ensino superior”, diz o diretor da unidade cultural da UMinho, criada há 35 anos no centro de Braga. Carlos Corais realça que a génese do “Espaço Maria Ondina Braga” deve-se ao facto de a família da autora bracarense ter depositado o seu espólio no Museu, sob compromisso de este ficar acessível ao público.

Entretanto, está também a ser concluído o levantamento, digitalização e inventário dos objetos e documentos do espólio de Ondina Braga, com a colaboração do Centro de Estudos Humanísticos da UMinho. Parte deste conteúdo estará ao dispor no site do Museu, em www.mns.uminho.pt. Prevêem-se igualmente diversas ações de animação do espólio, como encontros sobre a obra e percurso da autora, edição de catálogos, concertos de música e a alusão ao seu local de trabalho destacando algumas peças de mobiliário, objetos e documentos. O serviço educativo tem programadas atividades onde a relação dos textos da escritora com as próprias coleções do Museu são o ponto de partida. Na primavera também está igualmente prevista uma exposição de trabalhos de alunos resultantes da interpretação de textos de Ondina, numa colaboração com as bibliotecas escolares da região.

Quem foi Maria Ondina Braga?

Maria Ondina Braga (1932-2003) estudou Línguas em Cambridge e Paris, lecionou Português e Inglês em Luanda, Goa, Macau e Pequim, foi tradutora de Graham Greene, John Le Carré e Marcuse, entre outros, e viveu muitos anos em Lisboa. Foi argumentista, colaborou com várias publicações e lançou duas dezenas de livros, nomeadamente “Amor e Morte” (Prémio Ricardo Malheiros), “Nocturno em Macau” (Prémio Eça de Queirós) e “Vidas Vencidas” (Grande Prémio ITF). A Câmara de Braga instituiu um prémio literário em seu nome.

O Museu Nogueira da Silva é uma das sete unidades culturais da UMinho e integra a Rede Portuguesa de Museus. Nasceu da doação, feita em 1975, por António Nogueira da Silva, do edifício com jardim e das coleções de pintura, escultura, mobiliário, vidros, tapeçaria, tecidos, ourivesaria e porcelanas, que constituíam a sua casa, projetada por Rodrigues Lima. O recheio possui peças únicas dos séculos XV a XX, algumas delas presentes em exposições como a “Europália” na Bélgica, “Encompassing the Globe” nos EUA ou em espaços nacionais, como o Museu Nacional de Arte Antiga e o Museu da Presidência. O museu bracarense tem ainda um arquivo fotográfico rico e acolhe mostras de artistas importantes do panorama artístico contemporâneo.

Fonte: UMinho.pt