Oficina CEER
 31-01-2012
INVESTIGAÇÃO DA UMINHO DESCOBRE MOLÉCULA QUE DESTRÓI AS PROTEÍNAS NA CÉLULA

Estudo abre perspetivas para tratar doenças neurodegenerativas e cancro.

Quando o empregado do restaurante traz a sopa, pomos de lado o garfo e pegamos na colher. As células fazem algo semelhante, produzindo proteínas responsáveis pela entrada dos nutrientes disponíveis ou preferidos e destruindo as proteínas que não são necessárias. Um estudo da Escola de Ciências da Universidade do Minho (ECUM) descobriu uma molécula-chave envolvida neste processo de destruição de proteínas na célula. A investigação acaba de ser publicada no conceituada revista “Journal of Cell Biology”.

Tal como os estafetas, quando a molécula recebe informação da presença de determinado nutriente destrói então os transportadores indesejáveis. Segundo Sandra Paiva, da ECUM, os resultados representam um grande avanço na compreensão dos mecanismos de degradação de proteínas. “Os defeitos nestes mecanismos estão associados a doenças neurodegenerativas, como Parkinson e Alzheimer, à hipertensão hereditária e ao cancro. Este estudo abre novas perspetivas no tratamento destas e de outras doenças. As células de cancro, por exemplo, necessitam de muita energia e ao conseguirmos reduzir o número de transportadores podemos de algum modo privá-las de alimento, tornando-as mais sensíveis à quimioterapia”, sublinha Sandra Paiva.

Este trabalho utilizou como modelo um microrganismo, a levedura do pão ou da cerveja, que é fácil de crescer em laboratório e partilha uma grande semelhança dos seus genes com os genes em humanos. A investigação foi realizada por uma equipa coordenada por Sandra Paiva, do Centro de Biologia Molecular e Ambiental da ECUM, e por Sebastien León, do Instituto Jacques Monod da Universidade de Paris. A equipa inclui ainda Neide Vieira (primeira coautora), Margarida Casal, Carina Cunha e Jéssica Gomes, todas da UMinho, e outros investigadores das universidades de Paris e Madrid. O estudo foi premiado no “2011 Nature Cell Biology Poster Prize Winners”, na Croácia.

Sandra Paiva licenciou-se em Bioquímica pela Universidade do Porto, fez o mestrado em Genética Molecular pela UMinho e o doutoramento em Ciências pela UMinho, em colaboração com as Universidades de Amsterdão, Paris e Madrid. É professora auxiliar no Departamento de Biologia da UMinho e centra os estudos nas proteínas responsáveis pela entrada de nutrientes nas células, no seu tráfego intracelular e no modo como são degradadas, de acordo com alterações nutricionais. É também vice-presidente da Escola de Ciências da UMinho com o pelouro da Interação com a Sociedade e coordenadora de vários projetos de comunicação da Ciência com o público. Recebeu o American Club Annual Award 2001, tem 15 artigos publicados em revistas científicas e participa como oradora em vários congressos nacionais e internacionais.

Em anexo segue uma foto de Sandra Paiva.
Mais informações sobre o estudo em anexo e em http://jcb.rupress.org/content/196/2/181.

Contactos
Profª Sandra Paiva – 965386082, 253601514,
spaiva@bio.uminho.pt