Oficina CEER
 10-10-2007
U.Porto à conquista da América Latina

A Universidade do Porto partiu à conquista da América Latina. Na tentativa de aliciar os melhores “cérebros” dos países sul-americanos de expressão espanhola, a U.Porto é a única universidade portuguesa que aceitou o desafio de participar nas três feiras dedicadas ao Ensino Superior europeu que por esta altura decorrem no Uruguai, Chile e Argentina.

E os resultados deste investimento da Reitoria estão já a superar as expectativas. A delegação da U.Porto (constituída pela Directora do Serviço de Cooperação com os Países Lusófonos e Latino-Americanos, Elisabeth Ribeiro, e o Coordenador do Serviço de Comunicação e Imagem, Vasco Ribeiro) conta com uma média diária de perto de mil contactos pessoais com interessados em prosseguir os seus estudos na U.Porto.

O stand da Universidade do Porto tem sido mesmo um dos mais concorridos das feiras, só ultrapassado pela vasta representação de universidades espanholas, mas ainda assim batendo concorrência tão forte como a das instituições do Reino Unido.

Ao todo, mais de sessenta instituições de ensino superior, representando cerca de uma dezena de países europeus, estiveram presentes na Expo Educa 2007 (de 27 a 29 de Setembro, no Uruguai, com cerca de 4.000 visitantes), e nas feiras Europosgrado do Chile (3ª edição, que decorreu entre 2 e 3 de Outubro e recebeu a visita de 6.000 estudantes) e da Argentina (2ª edição, a decorrer entre 5 e 6 de Outubro) que, como o próprio nome indica, pretendem promover a oferta de formação de cada universidade no que diz respeito a pós-graduações, mestrados, bolsas e doutoramentos. Só na Argentina, segundo maior país (em termos geográficos) da América do Sul (depois do Brasil), a Feira Europeia de Educação Superior Europosgrado do ano passado foi vista por mais de 7.500 pessoas. Para o vice-reitor António Marques trata-se de "uma oportunidade única de pôr a U.Porto no mapa da América de Latina, onde é quase total o desconhecimento sobre o sistema de ensino superior no nosso país". O vice-reitor sublinha ainda que "não obstante a 11ª posição da nossa universidade no Ranking Ibero-americano de Instituições de Investigação, a reputação e notoriedade de que goza a U.Porto nestes países não é ainda comparável ao reconhecimento que tem no Brasil". Da América do Sul já é proveniente uma parcela importante dos estudantes de mobilidade da U.Porto. Só do Brasil vieram para o primeiro semestre do ano lectivo 2007/2008 cerca de 300 estudantes, de um total de perto de 800 só no primeiro semestre. Números que podem muito bem aumentar, se pensarmos até na proximidade linguística dos 3,3 milhões de habitantes do Uruguai, dos 15 milhões do Chile e, principalmente, dos 40 milhões da Argentina, oitavo maior país do mundo. Razões que justificam, conclui António Marques, "ampliar o esforço de divulgação da oferta formativa e dos centros de investigação da U. Porto, privilegiando um contacto mais directo com estudantes e universidades de países onde a proximidade linguística com o português se constitui em vantagem relativamente a outros países". AS/REIT

Folheto de Apresentação da U.Porto para as feiras da América Latina