Oficina CEER
 04-09-2012
UPORTO APOSTA NOS DOUTORAMENTOS EM AMBIENTE EMPRESARIAL

Eduardo Martins Soares defendeu recentemente a sua tese de doutoramento em Engenharia Metalúrgica e de Materiais na Faculdade de Engenharia (FEUP). A dissertação com o título "Desenvolvimento industrial de compósitos WC-Co com partículas submicrométricas e ultrafinas" foi o primeiro doutoramento do Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais (DEMM) a ser desenvolvido em ambiente empresarial, mais propriamente na DURIT - Metalurgia Portuguesa do Tungsténio, L.da, em Albergaria-a-Velha.

O trabalho de investigação teve como principal objetivo o desenvolvimento industrial de novos graus de metal duro submicrométricos, com teores de Co entre 2 e 12% (pp). Estes novos graus permitem aumentos muito significativos de dureza, associados a melhorias significativas de resistência mecânica e resistência ao desgaste e à corrosão relativamente aos graus com granulometrias mais convencionais. De acordo com Luís Filipe Malheiros, professor da FEUP e orientador da tese de Eduardo Martins Soares, “as aplicações destes novos graus no fabrico de ferramentas de desgaste são variadas, com particular destaque para as indústrias do petróleo e do gás, química e farmacêutica”.

De realçar que, no âmbito desta tese, e como resultado final de todo o trabalho desenvolvido, foram produzidos protótipos para uma aplicação na área da prospeção do petróleo e do gás. “Os componentes produzidos apresentaram um excelente desempenho, confirmando os resultados experimentais bem como a tecnologia de produção desenvolvida”, esclarece o professor da Faculdade de Engenharia. Uma outra novidade relacionada com este trabalho consistiu no desenvolvimento do processamento destes pós em água, em vez dos típicos solventes orgânicos, traduzindo-se num processo ambientalmente mais favorável, económico e seguro.

A aposta neste tipo de parcerias entre as faculdades e a indústria permite aproximar e reforçar a ligação entre estes dois universos. Luís Filipe Malheiros partilha esta mesma opinião: “o estreitamento desta ligação (…) é uma condição necessária, mas porventura não suficiente, para se alcançar a modificação do quadro de valores e referências que reduzem ou anulam esta contingência e contribuem para validar este passo para a construção do futuro”. Na opinião do professor da FEUP que acompanhou de perto este trabalho, é fundamental a realização prática dos temas estudados ao longo de um trabalho de pesquisa e investigação, como um doutoramento, em seio industrial, aproximando o conhecimento da criação de valor. “Muitos são os trabalhos de doutoramento ou até mesmo de I&D realizados no País sem qualquer tipo de aplicação ou concretização a nível industrial. Este é um caminho que deve ser alterado, sempre que o domínio científico o permita, como é o caso das Engenharias”, conclui Luís Filipe Malheiros.

Eduardo Martins Soares acabou por receber uma proposta para continuar na empresa DURIT, na área do desenvolvimento e inovação.

Fonte: noticias.up.pt