Oficina CEER
 07-01-2014
ARQUIVO DISTRITAL DE BRAGA COM ACERVO ONLINE

O acervo do Arquivo Distrital de Braga (ADB) já está disponível ao público, em pesquisa.adb.uminho.pt. O cidadão pode aceder gratuitamente em casa, no trabalho ou no smartphone a um novo instrumento de busca, a descrições detalhadas e a descarregar as imagens digitais. Este interface permite ainda uma melhor preservação dos documentos seculares, bem como alargar os projetos e competências desta unidade cultural da Universidade do Minho. Sendo um dos maiores e mais relevantes arquivos portugueses, o ADB tem tido uma procura crescente dos mais diversos países, sobretudo na área de genealogia.

O novo site usa software Archeevo, da Keep Solutions, uma spin-off da UMinho experiente na área. Na base da dados estão já mais de 100 mil registos, valor que deve duplicar num ano, durante o qual ficarão associados a cerca de 500 mil imagens digitais. A colocação de conteúdos será diária e gradual. Espera-se atingir a prazo alguns milhões de imagens, uma vez que o ADB possui 5 km de documentação, envolvendo mais de 500 arquivos, alguns deles nunca tratados. Estamos perante "uma revolução". Os documentos online são de acesso livre, na pesquisa, na leitura e no descarregamento da imagem digital. As pessoas só pagam se precisarem de um serviço prestado pelo Arquivo, como reproduções em papel ou digitais, certificadas ou não, ou a execução de pesquisas.

Maioria dos visitantes vem descobrir a árvore familiar

A documentação atualmente em linha inclui os registos paroquiais do distrito de Braga (salvo o concelho de Guimarães), nomeadamente batismos, casamentos, óbitos, legitimações e perfilhações, desde a sua origem no século XVI. Seguir-se-ão os registos de passaporte do Governo Civil de Braga, as inquirições de genere e as dispensas matrimoniais. A digitalização destes documentos tem sido feita pela organização internacional Family Search. A curto prazo, as descrições e os ficheiros estarão também acessíveis pelo Portal Português de Arquivos e, por via deste, pelo Portal Europeu de Arquivos e pela Europeana.

O ADB obteve também apoio do Programa ADAI-Iberarquivos para a disponibilização digital em 2014 do seu arquivo do Conde da Barca. Este espólio é relevante no estudo da relação entre Portugal e a América Latina, já que Conde da Barca foi, por exemplo, ministro e embaixador no Brasil e parte do seu legado está no Brasil. É precisamente esta área dos “testemunhos vitais”, desde a genealogia à História local, que atrai cerca de 70% dos utentes do ADB. Curiosos, estudiosos e responsáveis de entidades vêm sobretudo de Portugal, mas também do Brasil, PALOP, EUA, França, Austrália e até de países inusitados da Ásia ou Oceânia.

Os terabytes de dados e imagens cobrirão também fundos arquivísticos muito importantes do ADB, como os do Cabido e da Mitra da Sé de Braga. Juntam-se os monástico-conventuais, os das conservatórias, dos tribunais, do notariado, de particulares... Há muito trabalho pela frente. "O ADB tem reforçado o seu papel junto da academia e dos investigadores externos para fins científicos, construção da memória coletiva e produção de conteúdos culturais, mas igualmente para a garantia da cidadania, dos direitos e deveres das pessoas e das instituições", reconhece o diretor do ADB, António Sousa. Esta entidade situa-se no complexo do Largo do Paço, no centro de Braga.

Fonte: uminho.pt