Oficina CEER
 17-01-2017
PROFESSOR DA UMINHO DISCURSA NO PARLAMENTO SOBRE ORDENAMENTO DAS FLORESTAS

António Bento Gonçalves, da Universidade do Minho, está esta quarta-feira, dia 18, às 10h00, na Assembleia da República, em Lisboa, para uma audição no âmbito do projeto nacional “Reforma das Florestas”. O professor do Departamento de Geografia é um dos principais especialistas da área em Portugal, tendo desenvolvido inúmeros estudos sobre incêndios florestais, mudanças climáticas e ordenamento florestal.

O geógrafo foi convidado pelo presidente da Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, Pedro Soares. A intervenção inicial terá uma duração de sete minutos, seguindo-se eventuais questões a apresentar pelos vários grupos parlamentares.

“A resolução do problema dos incêndios florestais passa por apostar seriamente no ordenamento do território e no ordenamento florestal, o que implica promover o cadastro florestal e as zonas de intervenção, repensar a legislação existente, desincentivar as extensas áreas de monoculturas, além de apostar na educação, sensibilização e formação da população. Tal só é possível num contexto de vontade política que implica uma profunda reforma das florestas”, explica o investigador do Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território (CEGOT).

O Governo disponibiliza para discussão pública até ao final do mês de janeiro um conjunto de medidas legislativas que integram a “Reforma das Florestas”, com o objetivo de envolver a administração central, as autarquias, a comunidade académica e a sociedade em geral. Entre as medidas delineadas estão a criação do Banco Nacional de Terras e o Fundo de Mobilização de Terras, entre outras.

Bento Gonçalves é professor no Instituto de Ciências Sociais da UMinho, onde se doutorou em Geografia Física e Estudos Ambientais (2007). Assume a direção da licenciatura em Geografia e Planeamento e leciona unidades curriculares como “Geografia das Florestas” e “Avaliação e Gestão de Riscos Naturais”. Ao longo dos últimos anos, tem vindo a dedicar-se ao estudo da geografia das florestas, dos incêndios florestais, da erosão e degradação dos solos e dos riscos naturais. Coordenador do CEGOT entre 2014 e 2016, é atualmente vogal da direção da Associação Portuguesa de Geógrafos.

Segue-se uma fotografia do prof. António Bento Gonçalves.

Fonte: www.uminho.pt