Oficina CEER
 09-05-2017
CURSO TÉCNICO DE FLORESTA URBANA: GESTÃO, DIAGNÓSTICO, AVALIAÇÃO DO RISCO

APRESENTAÇÃO

O aumento da poluição atmosférica tem impactes diretos nos ecossistemas terrestres e nos diversos sectores socioeconómicos mundiais, na saúde pública e na qualidade de vida das pessoas em geral. Estas alterações afetam as árvores - essenciais ao sequestro de carbono – quer em contexto de floresta, quer no espaço urbano. Os agentes bióticos nocivos são muitas vezes favorecidos pelas perturbações do clima e do solo e aceleram o declínio das árvores e muitas vezes põem em risco a sua segurança. Assim, a formação apresentada neste curso, pretende abordar soluções para a redução dos riscos e de melhoria da proteção da Floresta Urbana, em virtude dos constrangimentos muito variados. Dos constrangimentos, são muito comuns erros no planeamento das infraestruturas ou a escolha da espécie, na plantação e formação das árvores. As podas são exemplos de intervenções nem sempre bem conseguidas. Muitas vezes contribuem mais para aumentar a fragilidade, do que para salvaguardar a saúde e segurança da árvore.

Parte integrante da defesa do património arbóreo é o diagnóstico da vitalidade, estabilidade e condição de risco. Assim, neste curso são apresentados diversos critérios e metodologias de análise da biomecânica da árvore. Aos agentes (fatores) bióticos que causam prejuízos à árvore, enquanto unidade ecológica, dá-se realce à sua atuação numa perspetiva preventiva considerando, na maioria dos casos, que é o agente que induz e acelera o declínio ao invés de ser a causa do problema. Assim, a ênfase é posta na visão integrada da saúde da árvore, abandonando a relação causa – efeito, a favor de um somatório de muitas causas para um dado efeito.

O presente curso, apesar da fundamentação teórica tem uma importante componente prática. Procura que os formandos fiquem capacitados não só de diagnosticar corretamente o problema, perante um dado quadro sintomatológico, como também ficarem com a perceção da forma correta de intervir. A componente prática, reforçada por um trabalho final de análise de um caso, visa avaliar as formas de intervir no concreto. Isso permite a outra abordagem aos problemas, melhorar a higiene e segurança no trabalho – logo a eficiência – e melhorar intervenções futuras nas árvores em particular e nos espaços verdes urbanos em geral.

OBJETIVOS

Contribuir para o desenvolvimento de competências na gestão, diagnóstico e avaliação da estabilidade de árvores em contexto urbano. Aprofundar os conhecimentos sobre o planeamento de arborizações em espaço urbano, métodos de amostragem para avaliações dendrológicas e dendrométricas; patologia das árvores ornamentais, avaliação patrimonial, da segurança e do risco.

​ DESTINATÁRIOS

Profissionais, alunos de Licenciatura ou Mestrado com interesse em Silvicultura Urbana.

ECTS

2.0 ECTS

CONDIÇÕES DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO

- O processo de avaliação (0 – 20 val.) é da responsabilidade do responsável do curso;
- O curso é de frequência obrigatória, podendo o estudante faltar até 20% do total de horas de contacto;
- A avaliação privilegiará a participação ativa dos estudantes e resultará da avaliação formal, sumativa e pelo estudo de um caso com desenvolvimento de um trabalho prático;
- Os formandos sem habilitação superior, terão direito a um certificado de frequência, i.e., sem atribuição de ECTS.

AVALIAÇÂO

Avaliação contínua relativa à participação e desempenho do formando (30%). Desenvolvimento de um trabalho com o estudo de um caso prático (70%).

RESPONSÁVEL/COORDENADOR CIENTÍFICO DO CURSO

Professor Luís Miguel Ferreira Pontes Martins.

FORMADOR

NOME

​Luís Martins - Especilista na área de arboricultura

DURAÇÃO

HORAS DE CONTACTO: 22,5 h

TRABALHO AUTÓNOMO: 34.5 h (horas dedicadas ao estudo e desenvolvimento de trabalho prático).

HORAS TOTAIS: 57.0 h

Ver máis:
http://www.utad.pt/vPT/Area2/agenda/Paginas/curso%20tecnico%20floresta%20urbana.aspx