Oficina CEER
 26-07-2018
NOBEL DA MEDICINA VEM À U.PORTO DESAFIAR A IMAGINAÇÃO

Mario Capecchi é o orador da segunda sessão do Simpósio GABBA 2018, agendada para dia 25 de julho, no Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S).

O biólogo italoamericano Mario Capecchi, vencedor do Prémio Nobel da Medicina e Fisiologia, vai estar esta quarta-feira, dia 25 de Julho, no Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) para falar sobre o papel do sistema imunitário na perturbação obsessiva-compulsiva, no âmbito do Simpósio “Flights of Imagination”, organizado pelos estudantes do programa doutoral GABBA, Mario Capecchi foi o investigador pioneiro no desenvolvimento da edição genética em células-estaminais derivadas de embriões de ratinhos, uma técnica conhecida como “knockout” (1987), que permite modificar o código genético de ratinhos. Esta tecnologia permite aos investigadores escolher tanto o gene a ser mutado como a mutação em si. Assim, Mario Capecchi desenvolveu uma ferramenta, muito usada na investigação científica nas áreas da oncologia, neurociência, biologia molecular e imunologia, para avaliar detalhadamente a função de qualquer gene durante a fase de desenvolvimento ou pós-desenvolvimento no modelo de ratinho e, possivelmente, avaliar os seus efeitos em genes homólogos em humanos. Esta descoberta valeu-lhe a atribuição do prémio da academia sueca na área da Medicina e Fisiologia em 2007, o qual foi partilhado com dois colegas investigadores, Oliver Smithies e Martin Evans.

O percurso científico de Mario Capecchi inspirou assim os estudantes do programa de doutoramento do GABBA (ICBAS), que escolheram o conceito de “voos de imaginação” cunhado pelo investigador como o tema principal do Simpósio anual, organizado no âmbito do 1.º ano do programa doutoral.

Natural de Verona (Itália), Mario Capecchi (1937) formou-se e iniciou a sua carreira na Universidade de Harvard, onde se tornou professor associado em 1971. Em 1973, junta-se à Universidade de Utah, onde é professor de Biologia e de Genética Humana. Investigador do Howard Hughes Medical Institute desde 1988, é também co-presidente do Departamento de Genética Humana e, além do Nobel, obteve inúmeros outros prémios durante a sua carreira e é membro honorário de várias academias científicas.

Atualmente, os interesses científicos de Mario Capecchi focam-se na análise genética molecular durante o desenvolvimento, no desenvolvimento neuronal em mamíferos, na produção de modelos murinos de doenças genéticas humanas, terapia genética, recombinação homóloga e rearranjos genómicos programados em modelos de ratinho.

A palestra de Mario Capecchi será a última palestra do Simpósio GABBA 2018 (17h15), precedida pelas intervenções de Maria Mota (directora do instituto de Medicina Molecular, em Lisboa) e de Marina Elez (Universidade de Sorbonne, em Paris). O evento tem entrada livre, mediante registo online obrigatório.

Durante a sua visita ao Porto, o investigador estará ainda envolvido noutras atividades, nomeadamente numa sessão informal organizada para falar da “história por detrás do curriculum” científico, agendada para quinta-feira, dia 26 de julho.

Sobre o Programa GABBA

O Programa GABBA é um Programa de Doutoramento em Áreas de Biologia Básica e Aplicada fundado no ano letivo 1996/1997 pelos professores e investigadores da U.Porto Maria de Sousa, Manuel Sobrinho Simões, António Amorim e Maria da Conceição Magalhães, a partir da fusão de quatro Programas de Mestrado da Faculdade de Ciências (Genética) da Faculdade de Medicina (Biologia Celular e Oncobiologia) e do Instituto Abel Salazar de Ciências Biomédicas (Imunologia).

Para além da ligação às Faculdades referidas, o Programa beneficia em grande parte de dois laboratórios associados da Universidade do Porto – do Instituto de Biologia Molecular e Celular e Instituto de Engenharia Biomédica (IBMC/INEB) e do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (IPATIMUP) – para o espaço laboratorial, salas de aula e diretores de módulos.

A principal filosofia do programa é expor os alunos a alguns dos melhores investigadores do país e proporcionar a oportunidade de desenvolver o projecto de doutoramento nos melhores centros de investigação, no estrangeiro e em Portugal.

Fonte: noticias.up.pt