Oficina CEER
 06-03-2019
A MAIOR COMPETIÇÃO DE PROGRAMAÇÃO DO MUNDO ESTÁ A CHEGAR AO PORTO

A MAIOR COMPETIÇÃO DE PROGRAMAÇÃO DO MUNDO ESTÁ A CHEGAR AO PORTOAlguns dos maiores jovens génios da programação vão participar, de 31 de março a 5 de abril, na Final Mundial do ICPC 2019, organizada pela U.Porto.

Está a chegar ao Porto a maior e mais antiga competição de programação universitária do mundo. É já no próximo dia 4 de abril que a Alfândega do Porto vai receber a 43.ª edição da Final Mundial do International Collegiate Programming Contest (ICPC), o concurso que, anualmente, coloca frente-a-frente alguns dos maiores jovens talentos de informática e programação de universidades de todos os continentes. Organizada pela Universidade do Porto, a edição deste ano estende-se ao longo de uma semana – de 31 de março a 5 de abril – em que o Porto será a capital mundial da programação informática.

A grande final do concurso é o culminar de vários meses de competição entre aspirantes a programadores de todo o mundo. Só na edição de 2018/19, a maior de sempre, já participaram cerca de 50 mil estudantes, acompanhados por mais 5 mil treinadores, representando mais de 3 mil universidades de 111 países, distribuídos por eliminatórias em 530 pontos diferentes do globo.

Ao Porto vão chegar os 400 mais dotados programadores, divididos por 135 equipas que, depois de ultrapassarem todas as fases preliminares, vão agora lutar pelo ouro. Os países mais representados nesta edição são os EUA, a China, a Índia e a Rússia (atual detentora do troféu), mas há também comitivas numerosas de países como o Brasil, a Síria ou o Egipto.

Portugal estará representado pela primeira vez no ICPC por uma equipa de quatro estudantes da Faculdade de Ciências da U.Porto, que se qualificou numa das eliminatórias regionais do evento.

Para além dos estudantes, a Final Mundial do ICPC 2019 contará com a presença de 1500 participantes e 250 voluntários. Números que ajudam a compor aquela que será, de acordo com a organização, uma das maiores edições de sempre do evento.

A competição propriamente dita vai decorrer no dia 4 de abril. O resto do evento contempla um programa variado de apresentações, feiras, hackatons ou workshops, entre outras iniciativas que permitirão aos participantes descobrir o Porto como uma cidade inovadora.

Sobre o ICPC

O ICPC tem as suas raízes no ano de 1970, quando a primeira competição foi organizada por pioneiros da International Honor Society for the Computing and Information Disciplines. A iniciativa rapidamente foi replicada nos Estados Unidos e no Canadá como um programa inovador para aumentar a ambição, a capacidade de solução de problemas e as oportunidades dos melhores estudantes no campo da computação. Com o passar do tempo, o concurso evoluiu para uma competição de múltiplos níveis, com o primeiro campeonato a ser organizado em 1977. Desde então, o concurso expandiu-se para uma colaboração mundial de milhares de universidades. O ICPC está afiliado à Fundação ICPC e está sediado na Universidade de Baylor (EUA).

A lista de medalhados do ICPC inclui, entre outros programadores, empresários ou investigadores, o co-fundador e CEO da Quora, Adam D’Angelo, o CEO da Zappos e manager na Facebook, Tony Hsieh, o primeiro empregado da Google, Craig Silverstein, e o criador da Apache Spark e co-fundador e CTO da Databricks, Matei Zaharia. A Amazon, a Google, a Microsoft, a Apple, a Samsung, a Accenture ou a Adobe são alguns dos maiores empregadores de ex-concorrentes da maior competição de programação do mundo.

Os países com maior número de vitórias nesta competição são os Estados Unidos da América, com 17 vitórias, e a Rússia, com 13. No entanto, nenhuma universidade americana venceu nos últimos 20 anos, e a Rússia venceu as últimas sete edições do concurso. A Universidade de São Petersburgo de Tecnologia da Informação, Mecânica e Ótica é a instituição mais galardoada da história do ICPC, com um total de sete vitórias. Em 2018, a grande final do evento foi organizada pela Universidade de Pequim, na China, e a equipa vencedora representou a Universidade Estatal de Moscovo, da Rússia.

Fonte: noticias.up.pt