Oficina CEER
 09-09-2008
Para estudo das bactérias “Aeronomas” e “Plesionomas”: Importante reunião científica na UTAD

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) vai acolher a realização do 9º Simpósio Internacional de Aeromonas e Plesiomonas, que terá lugar em Vila Real, de 10 a 12 de Setembro. Trata-se de um Simpósio que reúne especialistas de renome internacional membros do “Aeromonas Working Group” integrado no “Subcommittee on the Taxonomy of Aeromonadaceae, Vibrionaceae, and related organisms” do “International Committee on Systematic Bacteriology” (http://www.the-icsp.org).

As bactérias dos géneros Aeromonas e Plesiomonas isolam-se frequentemente em ambientes aquáticos e são consideradas agentes patogénicos de peixes, anfíbios e diferentes mamíferos, entre eles o Homem. Espécies de Aeromonas e Plesiomonas foram descritas em sistemas de distribuição de água para consumo humano, tanto tratadas como não tratadas e a sua quantidade parece relacionada com a qualidade da água. Aeromonas já foi declarado um patogénico emergente pela FDA, e é um microrganismo controlado pela normativa de águas no Canadá, Itália e Holanda. Ambos os microrganismos produzem gastroenterites em humanos e também estão associados a uma ampla variedade de doenças sistémicas. Desde o ponto de vista da aquicultura, Aeromonas pode originar um grave problema devido a que a espécie Aeromonas salmonicida causa uma doença nos peixes salmonados, furunculoses e úlceras musculares, que provoca a morte conduzindo a um notável desastre económico da exploração onde haja ocorrência de uma epidemia. As outras espécies adaptaram-se a ambientes mesófilos (podem viver a temperaturas de 37ºC ou mais) conseguindo colonizar animais de sangue quente. Além disso, tanto Aeromonas spp. como Plesiomonas shigelloides (única espécie do género), segregam várias toxinas e outros factores de virulência que podem contribuir para o desenvolvimento de uma infecção, em muitos casos gastrites agudas que precisam de uma atenção clínica hospitalar que às vezes se prolonga até duas semanas.

São vários os investigadores Portugueses dedicados ao estudo destes géneros e portanto a realização do simpósio em Portugal é uma excelente oportunidade de lhes proporcionar uma importante projecção internacional. A sua realização em Portugal atrairá participação de numerosos países membros da União Europeia, o que pode ajudar a estabelecer vínculos que podem conduzir a trabalhos conjuntos.

Esta reunião é promovida pelo Laboratório Molecular Diagnostic Center (MDC), Alicante-Espanha, em colaboração com a UTAD, parceiros no Protocolo de Cooperação, desde 2005, que estabelece uma colaboração no campo científico e tecnológico, designadamente na organização e execução de actividades comuns, relacionadas com a promoção da investigação e desenvolvimento tecnológico em reuniões científicas, de reconhecido mérito em termos nacionais e internacionais. A candidatura de Portugal obteve a maioria dos votos dos presentes na última reunião. Os simpósios anteriores foram celebrados em: 1986-Manchester (Inglaterra), 1988-Miami Beach (Florida), 1990-Helsingor (Dinamarca), 1993-Atlanta (Geórgia), 1995-Edimburgo (Escócia), 1999-Chicago (Illinois), 2002-Orihuela (Espanha), 2005-Halifax (Canadá), e agora em Vila Real (Portugal). Na última reunião, participaram cientistas de 27 países de todo o mundo: Austrália, Bangladesh, Bélgica, Brasil, Canadá, Espanha, Finlândia, França, Alemanha, Índia, República Eslovaca, Suiça, Suécia, Fiji, Itália, Africa do Sul, Portugal, Islândia, Cuba, Venezuela, Noruega, Singapura, México, Escócia, Reino Unido e dos Estados Unidos da América. O Comité Organizador constituiu-se em Vila Real (UTAD), em Julho de 2007, e é composto por especialistas no estudo destes microrganismos: A.J. Martínez-Murcia, Ph.D., Chairperson (Univ. Miguel Hernández, Espanha), M.J. Saavedra, Ph.D. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Portugal), A. Correia, Ph.D., (Universidade de Aveiro, Portugal), J. Boyd, Ph.D. (Institute for Marine Biosciences, Canada), M.J. Figueras, Ph.D. (Universidad Rovira y Virgilli, Espanha) e A. Homerman, Ph.D. (University of Maryland School of Medicine, USA).